quinta-feira, junho 13

Diante da recente tragédia ocasionada pelas intensas chuvas no estado do Rio Grande do Sul, a preocupação com o papel de instituições de todos os tipos e participações na sociedade surge como uma grande dúvida.

Com cidades inteiras alagadas, famílias desabrigadas e danos materiais incalculáveis que precisarão ser compreendidos. Diante disso, em escalas tão desproporcionais, a iniciativa das seguradoras torna-se uma questão de extrema importância em meio ao caos e à incerteza, tanto quanto a resposta da população e do Estado.

Na tentativa de fornecer respostas claras e para aqueles que podem estar preocupados com familiares, amigos ou mesmo desconhecidos com o qual se solidariza, é que levantamos a questão, reforçando a necessidade, também de ajudar das formas possíveis as pessoas que anseiam por socorro.

Procedimentos para acionar seguro por desastres naturais

O seguro por desastres naturais é uma importante proteção para os cidadãos em momentos de adversidade. Entender como acioná-lo é fundamental para garantir o apoio necessário em casos de emergência.

Esse tipo de seguro residencial costuma cobrir uma variedade de desastres, como:

  • Inundações
  • Vendavais
  • Incêndios causados por raios

Para isso, é preciso acionar a ele tendo os seguintes documentos em mãos:

  • Documentos pessoais (RG, CPF)
  • Comprovante de residência
  • Registro do sinistro (boletim de ocorrência)
  • Fotos ou vídeos que evidenciem os danos
  • Outros documentos específicos exigidos pela seguradora

Caso o responsável tenha perdido tais documentos durante as inundações e precise acionar o seguro, ainda é possível proceder, mas é importante seguir algumas orientações para garantir que o processo ocorra da forma mais eficiente possível.

Comunicação com a seguradora

Entre em contato com a seguradora para informar sobre a perda dos documentos e iniciar o processo de acionamento do seguro, explicando a situação – que provavelmente o atendente, nesse caso, já terá ciência – e forneça todas as informações disponíveis para facilitar a análise do caso.

Registro do Sinistro

O primeiro passo é registrar o sinistro junto à seguradora, o que mesmo sem os documentos originais, é possível de se fazer nesse atendimento com base em outros dados pessoais, como nome completo, CPF, endereço e, claro, a compreensão da seguradora diante da calamidade.

Caso a seguradora seja irredutível com relação aos documentos, apresente cópias ou qualquer outra forma de identificação que esteja disponível, mesmo em fotos digitalizadas ou documentos salvos em dispositivos eletrônicos, pois as informações adicionais podem ajudar a comprovar a identidade do segurado.

Acompanhamento do processo

Esteja atento ao andamento do processo junto à seguradora e forneça qualquer documentação adicional solicitada. Mantenha uma comunicação aberta e transparente para garantir que todas as etapas sejam concluídas da melhor forma possível.

Qual o tempo médio de resposta das seguradoras após o acionamento do seguro?

Em situações excepcionais, como as enchentes no Rio Grande do Sul, as seguradoras podem adotar medidas para agilizar o processo de indenização e fornecer suporte aos segurados afetados.

Nesse sentido, as seguradoras podem:

  • Designar equipes especializadas para lidar com os casos emergenciais;
  • simplificar os trâmites burocráticos, priorizando a análise rápida das solicitações;
  • estabelecer canais de comunicação direta com os segurados para esclarecer dúvidas e fornecer orientações;
  • realizar vistorias rápidas e eficientes nos locais atingidos;
  • e antecipar pagamentos emergenciais para auxiliar os segurados nas despesas imediatas.

Como ajudar as pessoas do Rio Grande do Sul?

E nós também, enquanto sociedade brasileira, podemos ajudar outro estado diante da gravidade da situação, pois são várias as cidades alagadas e o número de pessoas que perderem seus bens e entes queridos.

Caso possa ajudar, não meça esforços, e tente se colocar no lugar dessas famílias.

Você pode contribuir com doações para movimentos sociais e populares que estão atuando na linha de frente das ações humanitárias.

Participar de campanhas de arrecadação de alimentos, produtos de limpeza, roupas e materiais de higiene levando diretamente a uma agência dos correios. 

Oferecer trabalho voluntário em abrigos e centros de acolhimento se tiver condições de chegar até as proximidades, já que até esse fator está prejudicado.

Divulgar informações sobre formas seguras de doação e evitar golpes ou iniciativas duvidosas e se manter de coração aberto para todos em momentos tão delicados como esse que o RS enfrenta e que todos esperamos passar logo.

Share.